3 formas de precificar o serviço de Arquitetura e Urbanismo

Hamilton Salem
Hamilton Salem
18 de setembro de 2020
JUNTE-SE A NÓS!
Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade:
Tópicos deste artigo:

Se tem uma pergunta que eu sempre recebo é: como cobrar serviço de arquitetura e urbanismo do jeito certo? Existem muitas maneiras de precificar o seu serviço, mas as mais famosas são as que eu menos recomendo.

Isso porque elas não vão valorizar o seu serviço de arquiteto e, ainda, vão te transformar em apenas mais um profissional disponível no mercado. Por isso, no artigo de hoje, eu decidi listar 3 formas de precificar o seu serviço. Duas delas são erradas e uma é a melhor maneira que você pode fazer.

E, acredite em mim, as duas maneiras erradas são as mais utilizadas pelo mercado e as que muitos profissionais experientes dirão pra você usar. Mas tudo que elas fazem é destruir sua carreira. Então, leia esse artigo até o fim e entenda porque a maneira de precificar arquitetura e urbanismo que vou lhe ensinar neste texto é a mais eficiente.

Tabela de referência de arquitetura e urbanismo #errado

Essa é uma das formas de precificação mais comuns. Os principais órgãos e conselhos de arquitetura do Brasil têm as suas tabelas de referência, entre eles o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Instituto de Arquitetos do Brasl (IAB) e a Associação Brasileira e Escritórios de Arquitetura (ASBEA).

Pode até ser uma alternativa pra entender como o mercado tem precificado seus serviços, mas nunca ser o seu norte na hora de vender.

Quando você precifica seu serviço de arquitetura e urbanismo baseado nessas tabelas, você está considerando que todos os arquitetos são iguais e que não faz diferença para o cliente trabalhar. Você está se vendendo como um commodity e pode ser trocado facilmente por qualquer outro profissional do mercado.

3 formas de precificar o serviço de arquitetura e urbanismo

Cobrança por metro quadrado #errado

A cobrança por metro quadrado também é outra forma de precificação muito comum no mercado de arquitetura e urbanismo. Ele é baseado no cálculo do custo de cada serviço realizado e pensado pra trazer uma certa parcela de lucro pro profissional.

O problema desse tipo de cobrança é que você está pensando apenas na parte material e tangível que pode ser calculada do seu trabalho. Esse modo de precificação desconsidera todo o valor imaterial do seu trabalho. Toda a transformação que você pode gerar na vida do cliente.

Assim como a precificação feita por tabela de referência, o metro quadrado coloca todos os arquitetos no mesmo patamar e deixa de lado as nuances que existem dentro da carreira.

Cobrar por valor entregue ao cliente #certo

O jeito certo de cobrar não é apenas pelo serviço que você está realizando, mas pelo que você tá entregando no final pro cliente. Não só o que é tangível, mas tudo aquilo que é imaterial e que o seu cliente busca num serviço de arquitetura e urbanismo.

Quais são os valores que seus clientes buscam? Prazo? Luxo? Conforto? Segurança? Aceitação social? Cada público busca algo diferente no seu negócio e, ao entender isso, você passa a cobrar pelo que de fato está entregando pro seu cliente.

Vamos supor que o seu cliente seja uma grande construtora de habitações populares e que prioriza prazos. Quanto ele estaria disposto a pagar pra receber o projeto em mãos e começar as obras o mais rápido possível? Pensando no tanto de dinheiro que ele gira quando começa as obras, é bem provável que ele esteja disposto a pagar muito mais que a média do mercado por isso.

Agora, se o seu cliente preza pela segurança da sua família, meu caso quando reformei meu apartamento, por exemplo, quanto ele estaria disposto a pagar por um projeto que pensasse em cada pequeno detalhe da segurança dos seus filhos? Eu paguei muito por isso.

3 formas de precificar o serviço de arquitetura e urbanismo

Por que esse é o jeito certo de vender arquitetura e urbanismo?

Pra responder essa pergunta, eu preciso te fazer outra pergunta: por que você decidiu estudar arquitetura? Qual era o seu objetivo quando entrou na faculdade.

Eu duvido que você só queria levantar prédios e fazer projetos. Você sonhava em transformar a vida das pessoas, em criar novas formas de viver nas cidades, repensar o modo de vida urbano, levar conforto pras famílias, promover o acesso a uma vida de qualidade e tantas outras coisas que arquitetura e urbanismo são capazes de fazer.

Os prédios e projetos são a sua ferramenta para fazer isso. Quando você cobra pelo metro quadrado ou tabela de preços, você está valorizando a ferramenta e não o que você é capaz de fazer através dessa ferramenta. Lembre-se de tudo que você sonhava em fazer quando começou a estudar Arquitetura e cobre por isso.

Hamilton Salem

DESCUBRA 5 TÉCNICAS PARA VENDER MAIS PROJETOS EM ARQUITETURA

Para qual email eu envio?

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Hamilton Salem
Hamilton Salem

Ajudo empreendedores a performarem melhor, com estratégias de Marketing & Vendas específicas para trazer autoridade, reconhecimento e mais vendas.

você vai gostar também

JUNTE-SE A NÓS!
Entre para nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos e com prioridade:

NÃO VÁ EMBORA!!

Telegram
Acesse o nosso canal no Telegram para receber conteúdos inéditos e exclusivos:
Telegram
Receba mais conteúdos exclusivos e inéditos no Telegram
Acesse agora